Exigência impediu que Carlos Alberto de Nóbrega levasse a Praça para a Globo: “Ainda bem que fiquei no SBT”


A Praça é Nossa quase foi para a Globo. (Foto: reprodução/Montagem)
A Praça é Nossa quase foi para a Globo. (Foto: reprodução/Montagem)

Carlos Alberto de Nóbrega recebeu proposta para levar A Praça é Nossa para a Globo

No SBT há décadas, A Praça é Nossa é uma das atrações mais longevas da emissora de Silvio Santos e da própria televisão brasileira, mas o que muita gente não imagina, é que Carlos Alberto de Nóbrega já teve a oportunidade de levar a atração para a Globo algumas vezes.

Para quem não sabe, o formato da Praça é antigo e já foi ao ar em outras emissoras, como a Band e a própria Globo, mas com outros títulos. No final dos anos 1970, por exemplo, o canal carioca produziu a Praça da Alegria, mas que não era comandado por Carlos Alberto, que apenas integrava a equipe de redatores do programa, que durou apenas cerca de um ano no ar.

Na época, no entanto, o veterano chegou a afirmar que havia um certo preconceito da Globo em relação ao formato, com algumas estrelas, como Regina Casé, chegando a se recusar a participar do humorístico, que era comandado por Luiz Carlos Miele.

Globo não queria a Velha Surda no elenco. (Foto: reprodução/SBT)
Globo não queria a Velha Surda no elenco. (Foto: reprodução/SBT)

Exigência da Globo foi recusada

Porém, diante do sucesso da Praça é Nossa no SBT, a Globo mudou de ideia e fez algumas propostas para o formato voltar à emissora carioca. Em recente entrevista ao The Noite, comandado por Danilo Gentili, Carlos Alberto de Nóbrega contou que estava inclinado a aceitar a oferta, mas uma exigência feita por Boni, que era o chefão da Globo na época, fez com que ele decidisse permanecer na emissora de Silvio Santos.

Segundo o veterano, Boni exigiu que todo o elenco fosse incorporado ao novo programa na Globo, menos Rony Rios, que dava vida à Velha Surda, uma das personagens mais famosas do programa. “Então eu falei ‘se o Rony não vier, não vem ninguém’. Graças a Deus eu fiquei [no SBT]. Se eu estivesse em outra emissora, eu jamais faria 35 anos de carreira com a Praça. Silvio me deu liberdade”, contou o apresentador.