Ex-âncora do JN foi acusada de roubo e teve que se explicar na Globo: “Me chamaram na sala da direção”


Carla Vilhena e William Bonner no Jornal Nacional na Globo. (Foto: reprodução)
Carla Vilhena e William Bonner no Jornal Nacional na Globo. (Foto: reprodução)

Carla Vilhena foi acusada de roubo na Globo

Carla Vilhena, que já teve uma posição de destaque no jornalismo da Globo, chegando a apresentar o Fantástico e o Jornal Nacional, decidiu enfrentar novos desafios e deixou a emissora em 2020. Durante sua passagem pela Globo, ela também esteve à frente do Jornal Hoje, SPTV, Bom Dia São Paulo e Bom Dia Brasil. Após sair da emissora, Carla assinou contrato com a CNN, onde trabalhou até 2022, e posteriormente teve participações em algumas produções do SBT.

Ativa nas redes sociais, Carla Vilhena recentemente compartilhou um episódio constrangedor que ocorreu quando ainda trabalhava na Globo. Ela foi erroneamente acusada por um taxista de roubo. O incidente aconteceu quando ela estava no aeroporto de Brasília, viajando a trabalho com um produtor. Ao pegar as malas para sair do táxi, por engano, Carla pegou a pasta do taxista em vez da sua própria.

Carla Vilhena, que inclusive tirou uma foto com o motorista antes de sair, acreditava que a pasta pertencia ao produtor e percebeu que quase foi esquecida quando o voo deles foi chamado.

Carla Vilhena no Jornal Nacional. (Foto: reprodução)
Carla Vilhena no Jornal Nacional. (Foto: reprodução)

Jornalista precisou se explicar

No entanto, no dia seguinte, ao chegar na redação da Globo, ela foi chamada pelo chefe do Fantástico, que informou que o taxista havia a acusado de roubo. “Fui chamada para a sala da direção do Fantástico. O chefe disse: ‘Carla, recebemos uma ligação da redação de Brasília. Um taxista foi lá reclamar que você roubou a pasta dele, com documentos pessoais, carteira, dinheiro, etc. E ele mostrou uma foto sua com ele para provar'”, relatou a famosa.

No final das contas, tudo foi esclarecido quando ela entregou a pasta para a emissora, que a devolveu ao taxista: “A Globo enviou a pasta de volta para Brasília, e ela foi devolvida ao taxista. Felizmente, minha reputação permaneceu intacta”.