Após acusações de assédio moral em “Vai Que Cola”, Cacau Protásio se pronuncia


Vai Que Cola - Cacau Protásio (Foto: Montagem, Reprodução, Fatos da TV)
Vai Que Cola - Cacau Protásio (Foto: Montagem, Reprodução, Fatos da TV)

As coisas parecem estarem pegando fogo nos bastidores do “Vai Que Cola”, ao ponto de Cacau Protásio precisar se pronunciar

A atriz Cacau Protásio decidiu se manifestar sobre as acusações de assédio moral do elenco de “Vai que Cola”, que teria levado à demissão de um roteirista do sitcom. Em uma declaração veemente em seu perfil no Instagram, a artista negou qualquer ligação com a saída de André Gabeh e outros membros da equipe do programa, reagindo à carta aberta dos roteiristas, que na segunda-feira (21/8) denunciaram comportamento tóxico dos atores do programa.

“Sou funcionária da Rede Globo há mais de 11 anos (sendo 11 temporadas do ‘Vai Que Cola’). Como qualquer outro funcionário da empresa, eu não tenho o poder de demitir e nem de admitir ninguém, a Rede Globo e o Multshow são duas empresas grandes e só elas podem tomar qualquer decisão em relação ao assunto”, afirmou.

A reação da atriz

Ela também expressou indignação com os boatos, afirmando tratar a todos com respeito.

“Eu jamais ‘tirei’ trabalho de ninguém, pelo contrário, além de atriz sou empresária e emprego diversos funcionários em minhas lojas. Quem convive comigo sabe o quanto eu respeito e trato todos que estão a minha volta com igualdade, e muito respeito. Eu lamento muito pelas demissão de qualquer pessoa e eu, Cacau Protásio, repito aqui: Não tenho poder e direito de pedir a demissão de alguém, pois sou funcionária da emissora”, esclareceu ela.

Elenco do Vai Que Cola (Foto: Reprodução, Globo)
Elenco do Vai Que Cola (Foto: Reprodução, Globo)

Em suas palavras, a atriz também enfatizou a separação entre atores e roteiristas no programa, cada um exercendo sua função e papel, sugerindo que eles nem tem contato uns com os outros.

“Em uma produção, cada peça exerce sua função e seu papel. No caso específico dos roteiros, recebemos antes das gravações e neles não constam os nomes dos autores de cada episódio. É normal que ocorram adaptações por parte dos atores, para que possam ficar dentro da nossa embocadura. Sei que vão me amar e vão me odiar, obrigada pelo amor e carinhos daqueles que me amam, eu respeito as pessoas que eu não agrado. Sem mais! Eu não vou aceitar agressões aqui na minha página!”, concluiu Cacau em seu desabafo.

Entenda o caso

Os roteiristas apresentaram uma carta para toda a equipe do humorístico na qual denunciaram violência psicológica. Os casos teriam começado com críticas dos intérpretes ao texto, mas se tornaram abusos que têm prejudicado o ambiente de trabalho. Na carta, os profissionais criticaram a atitude do elenco do “Vai que Cola”, e mencionaram a demissão de André Gabeh, que gerou polêmica.

Elenco do Vai Que Cola (Foto: Reprodução, Multishow)
Elenco do Vai Que Cola (Foto: Reprodução, Multishow)

Os colegas do escritor ficaram revoltados com o desligamento e passaram a identificar uma vulnerabilidade com o emprego no humorístico.

Após a exposição, a Associação Brasileira de Autores Roteiristas (ABRA) também emitiu uma nota. Contra a “cultura de medo e opressão” em ambientes do mercado audiovisual. E um ex-roteirista do programa, Daniel Porto, que pediu demissão no ano passado, compartilhou sua experiência traumática no “Vai que Cola”. Reforçando a acusação de assédio moral por parte do elenco.