Após ajuda de Deolane, Marcos Oliveira, o Beiçola, desiste de ir para Retiro dos Artistas


Ator que fez o Beiçola recebe apoio financeiro inesperado de Deolane
Ator que fez o Beiçola recebe apoio financeiro inesperado de Deolane (Foto: Reprodução/Internet)

O ator Marcos Oliveira recebeu uma doação generosa da advogada Deolane no valor de 50 mil reais

Marcos Oliveira, o eterno Beiçola de A Grande Família (2001-2014), voltou a falar com o Fofocalizando nesta segunda-feira (2) e contou que desistiu de se mudar para o Retiro dos Artistas. O ator explicou que a instituição só aceita um animal de estimação e ele tem três cadelinhas das quais não gostaria de se separar.

“São as minhas filhas, tenho três filhas: Mel, Preta e Lolita. As únicas afetividades que tenho na vida são com essas cachorras. Lá só poderia receber uma. O que eu ia fazer? Jogar duas fora? Não tem como. Prefiro ficar com as três e, no retiro, quem sabe, estar numa casa melhor pra cuidar delas”, disse ele.

Deolane (Foto: Reprodução, Instagram)
Deolane (Foto: Reprodução, Instagram)

Sobre o encontro com Deolane Bezerra, que incentivou uma campanha do bem em prol de Marcos Oliveira e doou R$ 50 mil, ele foi só elogios: “Foi o que salvou a minha vida, a minha alma. Eu tô conseguindo trabalho também e quero pagar as minhas dívidas que o golpista me deixou. Eu tô pronto pra continuar o meu trabalho, a minha dignidade”.

A gratidão do ator

“Apesar da minha idade, e graças a essa mulher maravilhosa, a Deolane, que me ajudou, tudo está sendo mudado. Graças a Deus e a vocês que me ajudaram, eu tô vivo e vou continuar vivo”, celebrou o intérprete de Beiçola.

Deolane Bezerra faz pix de R$ 50 mil a Marcos Oliveira, o Beiçola (Foto: Reprodução, Instagram)
Deolane Bezerra faz pix de R$ 50 mil a Marcos Oliveira, o Beiçola (Foto: Reprodução, Instagram)

Ainda em entrevista ao Fofocalizando, o veterano, que estará em cartaz no Rio de Janeiro com o espetáculo Morreu, Mas Passa Bem, fez um apelo para que um homem que teria lhe aplicado um golpe se entregue à polícia. “Tenho o meu nome a zelar, é a única coisa que eu tenho. Quero recuperar a minha dignidade. Se ele pagar as contas, posso trabalhar com a cara limpa, e não com medo das coisas”.