Ator fez o que ninguém imaginava em cena de velório de O Rei do Gado e gravação foi interrompida


Carlos Vereza dormiu em cena de O Rei do Gado. (Foto: reprodução)
Carlos Vereza dormiu em cena de O Rei do Gado. (Foto: reprodução)

O Rei do Gado acumula diversas situações curiosas e inusitadas que aconteceram nos bastidores durante o período de gravações da novela, que está atualmente em reprise na Globo. E uma delas ocorreu durante o velório do Senador Caxias.

O personagem interpretado por Carlos Vereza morreu de forma marcante na trama. Empenhado em defender os interesses dos sem-terra, afirmando que pagaria até com a vida para ajudar aquelas pessoas, o Senador acaba sendo vítima da violência. Isso porque ele se mete no meio de um tiroteio, e enquanto muitos imaginavam que Regino (Jackson Antunes) poderia ser atingido, é Caxias quem acaba baleado e morto.

Na trama, a cena do velório do Senador é marcado por muita tristeza, mas nos bastidores, o clima foi um pouco diferente, principalmente por ter ocorrido algo inusitado, que chegou a arrancar gargalhadas do elenco, principalmente do protagonista Antonio Fagundes.

Carlos Vereza integrou o elenco da novela O Rei do Gado na Globo. (Foto: reprodução)
Carlos Vereza integrou o elenco da novela O Rei do Gado na Globo. (Foto: reprodução)

Ator Carlos Vereza dormiu dentro do caixão durante a cena de O Rei do Gado

Acontece que Carlos Vereza realmente ficou dentro de um caixão para gravar a cena de O Rei do Gado, mas ao permanecer imóvel e deitado por muito tempo, o ator acabou dormindo. Mais do que isso: durante o cochilo, ele começou a roncar, justamente no momento em que Fagundes fazia um monólogo tenso sobre a morte do personagem.

Veja também: Apresentador foi afastado da Globo por comer ao vivo e seu triste fim virou notícia no Jornal Nacional

O experiente ator, no entanto, acabou perdendo a concentração e caiu no riso, chamando a atenção da produção para o fato de Vereza estar roncando. Assim, o diretor Luiz Fernando Carvalho precisou intervir e acordar o veterano dentro do caixão. “Dormir pode, só para de roncar”, brincou o diretor.