Atriz de “O Rei do Gado” enfrentou a Globo e pediu para deixar novela: “Fiquei jogada”


estrela de "O Rei do Gado" acabou ficando frustrada e pediu para sair de folhetim (Foto Reprodução/Montagem/Fatos da Tv)
Atriz de "O Rei do Gado" acabou ficando frustrada e pediu para sair de folhetim (Foto Reprodução/Montagem/Fatos da Tv)

Atriz de “O Rei do Gado” se sentiu “menosprezada” pela emissora

Para um ator ou atriz, fazer um personagem de sucesso é sempre um verdadeiro presente. Porém, nem sempre é possível dar destaque a todos os personagens e um ou outro acaba ficando desfocado. Uma das estrelas de “O Rei do Gado” passou por uma situação dessas.

Apesar de emO Rei do Gado”, Silvia Pfeifer, ter tido um grande destaque ao interpretar a madame Léia, esposa de Bruno Mezenga (Antônio Fagundes), o protagonista da novela da Globo exibida originalmente em 1996, e está sendo reprisada atualmente no “Vale a Pena Ver de Novo”, a atriz já viveu dias em que se sentiu menosprezada pela emissora.

Silvia Pfeifer em "O Rei do Gado" (Foto Reprodução/Internet)
Silvia Pfeifer em “O Rei do Gado” (Foto Reprodução/Internet)

Um ano antes de fazer parte do elenco de “O Rei do Gado”,  Silvia Pfeifer pediu para deixar o elenco de outra produção. Trata-se de “Malhação” de 1995.

+Cópia do BBB? Globo declarou guerra ao SBT e tirou Casa dos Artistas do ar: “É uma barbaridade”

Silvia  se sentiu mal aproveitada na primeira temporada da novela teen. A atriz vinha de um grande sucesso que foi “Tropicaliente” e foi escalada para dar a vida para a dona da academia do seriado adolescente, interpretando “Paula”.

Em entrevista ao jornal O Estado de São Paulo, de 26 de novembro de 1995, Silvia Pfeifer pediu para sair da novela da Globo por se sentir mal aproveitada.

Silvia Pfeifer em "Malhação" (Foto Reprodução/Internet)
Silvia Pfeifer em “Malhação” (Foto Reprodução/Internet)

“Entrei para o programa porque recebi o convite do Roberto Talma. Gosto muito de trabalhar com ele, é um tremendo diretor. Nem precisaria ter aceito porque havia acabado de gravar Tropicaliente dois meses antes” – Iniciou ela

“Mas topei porque achei a proposta diferente e porque os diretores seria o Talma e o Flávio Colatrello. Aí, em pouco tempo, os dois se afastaram da Globo. Os meninos que estão na direção são ótimos, mas a saída dos dois me deixou frustrada” -Desabafou Silvia Pfeifer.

Indagada pela reportagem se a intérprete de Léia de O Rei do Gado se sentia mais segura com os diretores veteranos, a atriz foi categórica e pontuou que sim, pela experiência deles, mas confessou que também estava cansada por emendar dois trabalhos.

Silvia Pfeifer e José Mayer em "Meu Bem, Meu Mal" (Foto Reprodução/Internet)
Silvia Pfeifer e José Mayer em “Meu Bem, Meu Mal” (Foto Reprodução/Internet)

“Eles têm mais experiência e, isso é importante para o ator aprender. Além disso, estou cansada porque emendei a novela com o seriado. Quero férias para relaxar, um tempo para fazer outra coisa. Queria fazer um trabalho mais elaborado, uma minissérie ou uma novela das oito”, confessou a atriz.

estrela e Herson Capri em "Tropicaliente" (Foto Reprodução/Globo)
Silvia Pfeifer e Herson Capri em “Tropicaliente” (Foto Reprodução/Globo)

“Ela dá estrutura ao programa, mas ele é dos adolescentes. Então, naturalmente, fiquei meio jogada. Passei meses falando nada” – Disparou Silvia Pfeifer

“Quando fiz Meu Bem, Meu Mal, as críticas diziam que eu não era boa. Em Perigosas Peruas, fiz cenas mais engraçadas e as pessoas calaram um pouco a boca. Em Tropicaliente, fiz uma mulher sofrida, rica, que andava chiquérrima o dia inteiro. Já em Malhação, passei a ser vista como uma mulher mais esportiva, atual, real e alegre” -Finalizou Silvia Pfeifer, mostrando um único ponto positivo para a sua escalação em “Malhação”.

atriz hoje em dia (Foto Reprodução/Internet)
Silvia Pfeifer hoje em dia (Foto Reprodução/Internet)
Lennita Lee

Autor(a):

Lennita Lee

Meu nome é Lennita Lee, tenho 32 anos, nasci e cresci em São Paulo. Viajei Brasil afora, e voltei para essa cidade, afim de recomeçar a minha vida. Sou formada em moda pela instituição "Anhembi Morumbi" e sempre gostei de escrever. Minha maior paixão sempre foi a dramaturgia Também sou viciada em grandes produções latino americanas e mundiais. A arte é o que me move ....