Carlos Alberto de Nóbrega sofreu humilhação na Globo e expôs o que ouviu de atriz: “Preconceito”


Carlos Alberto de Nóbrega comanda A Praça é Nossa. (Foto: reprodução/ SBT)
Carlos Alberto de Nóbrega comanda A Praça é Nossa. (Foto: reprodução/ SBT)

Aos 86 anos, Carlos Alberto de Nóbrega é uma verdadeira enciclopédia viva da televisão brasileira, sempre tendo muitas histórias de bastidores para contar, inclusive sobre o período em que esteve na Globo.

Sim! Antes de se consolidar como apresentador da Praça é Nossa no SBT desde 1987, o veterano teve passagens por várias emissoras, e uma delas foi justamente a Globo. Na emissora carioca, ele atuou como redator de programas como Os Trapalhões e a Praça da Alegria, formato que foi criado pelo seu pai, Manoel de Nóbrega, ainda nos anos 1950.

Porém, Carlos Alberto não lembra com muito entusiasmo o tempo em que esteve na maior emissora do país. Diversas vezes, em entrevistas, o apresentador fala de momentos desagradáveis que passou e que presenciou de outras estrelas nos bastidores. E um desses momentos ocorreu justamente durante a Praça da Alegria, em 1977.

Atriz Regina Casé. (Foto: reprodução)
Atriz Regina Casé. (Foto: reprodução)

Carlos Alberto de Nóbrega relatou preconceito na Globo

Em entrevista ao podcast Inteligência Ltd., Carlos Alberto de Nóbrega contou que havia muito preconceito na Globo em relação ao humorístico, e que a sua equipe era constantemente boicotada por artistas e diretores em virtude disso. “Assim que puderam, eles (diretores do canal) tiraram o programa. Ficou um ano e pouco no ar”, declarou.

Carlos Alberto ainda entregou uma atitude de Regina Casé, que se recusou a participar do programa. “Era preconceito, preconceito de colegas de novela falando: ‘Eu não vou fazer’. Tinha uma novela chamada Espelho (Mágico), que o Lima Duarte fazia um palhaço fracassado e a Regina Casé era filha que estava em ascensão”, falou o apresentador.

“No último capítulo da novela eu tinha que entrar e houve uma pressão e ela disse: ‘Não vou entrar’. O Lima Duarte entrou e ela não queria entrar para fazer. Até hoje eu não sei por que. Eu era amiguíssimo do pai dela [o escritor Geraldo Casé]. Uma vez eu fiz um comentário quando eu já estava fazendo A Praça aqui em São Paulo e eu ganhava do programa dela, e ela disse: ‘Bom, se eu perder… chato é perder para a A Praça'”, revelou o veterano, que apesar de tudo, garante que não deseja nenhum mal a atriz, e que isso era apenas reflexo do preconceito que havia com o humorístico.