Chefão da Globo revelou porque Hebe Camargo nunca foi contratada pela emissora


Apresentadora Hebe Camargo. (Foto: Reprodução)
Apresentadora Hebe Camargo. (Foto: Reprodução)

Hebe Camargo já foi considerada a Dama e Rainha da TV brasileira, acumulando fãs entre anônimos e famosos de distintos canais, mas construiu tudo isso mesmo sem nunca ter sido contratada pela maior emissora do país: a Globo.

Com uma carreira de mais de 60 anos na televisão, Hebe teve passagens pela extinta TV Tupi (onde chegou a apresentar o primeiro programa da televisão brasileira), Record, SBT e RedeTV!, mas nunca teve contrato com a emissora carioca, um mistério que sempre intrigou muita gente. A Rainha da TV até chegou a fazer algumas aparições na Globo, sendo a mais marcante delas em 2010, quando recebeu uma homenagem no Domingão do Faustão, com o Troféu Mário Lago, mas nunca teve vínculo com o canal.

Porém, em 2016, em entrevista ao programa Morning Show, José Bonifácio de Oliveira Sobrinho, o Boni, que foi considerado o chefão da Globo por décadas, finalmente revelou o motivo da emissora nunca ter oferecido um programa para Hebe.

Personalidade forte de Hebe impediu sua ida para a Globo

O ex-executivo da Globo afirmou que, até de forma natural, a emissora já teve interesse em contratar Hebe Camargo, mas sempre temeu isso em virtude da sua personalidade forte. “Exatamente pela personalidade da Hebe, de dizer aquilo que ela gostava de dizer. Pela dificuldade de controlar a Hebe, ela nunca foi para TV Globo”, revelou Boni.

O empresário chegou a comparar Hebe com Dercy Gonçalves, que ganhou fama pelas suas falas totalmente sem filtro na TV, mas que ainda chegou a trabalhar na Globo por alguns anos. Porém, segundo Boni, era mais fácil controlar Dercy do que Hebe. “Hebe queria fazer o programa dela ao vivo, a Dercy aceitava gravar. E a Dercy teve que sair da TV Globo porque gravava 50 minutos e sobrava 15, depois dos cortes”, contou.

Apesar de nunca ter contratado Hebe, a Globo chegou a prestar uma homenagem à estrela, que faleceu em 2012, produzindo um documentário e uma minissérie sobre a sua vida. Na produção estrelada por Andrea Beltrão, aliás, há uma cena que sugere que a própria apresentadora tinha medo de trabalhar na emissora por causa da “censura” que poderia sofrer e que não aceitaria ser controlada.