Decisão do autor de Mar do Sertão deixou artista da Globo decepcionado: “Não entendi nada”


Marcos Pasquim esteve em O Tempo Não Para, mesma novela do autor de Mar do Sertão. (Foto: Reprodução)
Marcos Pasquim esteve em O Tempo Não Para, mesma novela do autor de Mar do Sertão. (Foto: Reprodução)

O autor Mário Teixeira está de volta às novelas com Mar do Sertão, e vem surpreendendo, já que o folhetim consegue registrar bons números de audiência e arrancar elogios pelo seu estilo clássico, apesar da crise que a Globo vem enfrentando com suas novelas nos últimos anos.

O novelista volta ao ar após ter assinado O Tempo Não Para (2018), novela que também conquistou resultados razoáveis para a emissora carioca. E se hoje Teixeira ganha elogios pela escrita de praticamente todos os personagens de Mar do Sertão, não se pode dizer o mesmo com alguns de O Tempo Não Para, que chegou a sofrer críticas dos próprios atores, como Marcos Pasquim.

Na novela das 19h, o veterano deu vida à Mariano, um biólogo que abandona a sua profissão para viver com a esposa Monalisa (Alexandra Richter) em uma cabana sem luz elétrica e água encanada.

Em entrevista ao site Notícias da TV na época, Pasquim revelou ter ficado confuso e decepcionado com o autor, já que havia aceitado o papel depois de ser informado que o personagem ganharia destaque na novela, como um dos antagonistas da história, chegando a disputar o coração de Carmen (Christiane Torloni) com Sabino, personagem vivido por Edson Celulari. Segundo o astro, no entanto, Mariano acabou sendo deixado de lado na trama.

Decepção com autor de Mar do Sertão e O Tempo Não Para

“O Mariano iria duelar com o protagonista Sabino, o Edson Celulari, pela personagem da Christiane Torloni, a Carmen. Só que viajou, voltou e só deu um tchau. Não entendi nada”, revelou Pasquim, contando ainda que percebeu essa mudança de planos com outros personagens da história. “Aí não tem o que fazer”, lamentou ele.

Veja também: Promessa nos anos 80, atriz de Chocolate com Pimenta some das novelas e expõe mágoa: “Nunca tive padrinho”

Vale dizer que essa não é a primeira vez que Marcos Pasquim veio à público para reclamar dos rumos de um personagem vivido por ele em uma novela. Em 2015, o ator deu vida à Carlos Alberto, que iria viver um romance gay com o personagem de Marcelo Melo. A péssima audiência da novela, no entanto, fez os autores promoveram mudanças radicais na trama: o personagem de Pasquim acabou se tornando heterossexual, e por fim, ficou sem função na história.

“Rasgaram 80 capítulos, e o meu personagem rodou. Não era mais homossexual e foi ter um romance com a personagem da Camila Pitanga, rivalizando com o Thiago Fragoso. O Bruno Gagliasso, que ia ser um cafetão, virou um vilão assassinado no fim. Foi uma pena. A novela era incrível”, desabafou.