Proibido? Entenda motivo surreal por trás da Globo não promover estreias de novelas em dezembro


Emissora decide vender de histórica para virar condomínio (Foto: Reprodução)
Logo da emissora carioca, Globo(Foto: Reprodução/ Globo)

Considerando novelas inéditas, a Globo simplesmente não promove lançamentos em dezembro desde 1990, quando levou ao ar Lua Cheia de Amor

Por uma questão estratégica, a Globo não estreia novelas em dezembro, mês em que, fatalmente, a audiência cai. Além do Horário de Verão e do início da estação que faz as pessoas permaneceram na rua até mais tarde.

Tambem, há as festas e confraternizações de fim de ano, como a “festa da firma”, o Natal e o Ano Novo. Novela é hábito.

Leva um tempo para que o público assimile a história nova que está começando e decore os nomes dos novos personagens que farão parte (ou não!) de seu dia a dia nos próximos 6, 7 meses.

Já que é natural que haja uma queda de audiência em todo início de novela, seria um risco estrear em dezembro, por causa do pouco tempo hábil para o público se afeiçoar à nova produção.

Por isso é mais fácil rearranjar as datas de estreia para evitar este mês, seja para antes (tempo maior para o telespectador se acostumar com a nova novela até a chegada de dezembro) ou após o fim de ano.

Aliás, historicamente, várias foram as produções que estrearam no início de janeiro. Mas existem sim algumas poucas novelas que começaram em dezembro.  Conheça algumas dessas obras:

“Padre Tião” e “Um Rosto de Mulher” (1965-1966)

Novela do ano da inauguração da TV Globo, “Padre Tião” estreou às 19 horas em 12 de dezembro de 1965.

Baseada na obra do italiano Giovanni Guareshi, a trama foi estrelada por Ítalo Rossi, como o padre Tião, e Marília Pêra e Gracindo Jr., como o casal romântico central.

No mesmo dia, estreou no horário das 21h30 a novela “Um Rosto de Mulher”, com Nathalia Timberg vivendo uma personagem com dupla personalidade.

Gracindo Jr. e Marília Pêra em "Padre Tião"
Gracindo Jr. e Marília Pêra em “Padre Tião”

“Sangue e Areia” e “O Homem Proibido” (1967-1968)

Em 18 de dezembro de 1967, a Globo lançou duas novelas: às 20 horas “Sangue e Areia” e, às 21h30, “O Homem Proibido”. A primeira foi escrita por Janete Clair, inspirada no romance do espanhol Blasco Ibañez.

Tarcísio Meira vivia o toureiro Juan Galhardo, amorado da doce Pilar (Theresa Amayo) e assediado pela exuberante Doña Sol (Glória Menezes).

“O Homem Proibido” – também conhecida como “Demian, o Justiceiro” – foi escrita por Glória Magadan – e nada tem a ver com o romance homônimo de Nelson Rodrigues que originou a novela “O Homem Proibido” em 1982.

Aqui, a autora ambientou sua história na Índia (muito antes de outra Glória, a Perez, escrever “Caminho das Índias”, em 2009), como casal romântico vivido pelo então casal da vida real Carlos Alberto e Yoná Magalhães.

Tarcísio Meira e Glória Menezes em "Sangue e Areia"
Tarcísio Meira e Glória Menezes em “Sangue e Areia”

“Duas Vidas” (1976-1977)

Essa novela de Janete Clair estreou em 13 de dezembro de 1976. Foi muito prejudicada pela censura, que viu na trama uma crítica à construção do metrô do Rio de Janeiro, uma obra do Governo.

Na história, a vida de um grupo de vizinhos se dispersava com as obras o metrô carioca, entre eles, Leda Maria (Betty Faria), que criava sozinha o filho pequeno Téo (Carlos Poyart). Francisco Cuoco era um dos pares românticos de Betty na trama.

Betty Faria e Carlos Poyart em "Duas Vidas"
Betty Faria e Carlos Poyart em “Duas Vidas”

“O Astro” (1977-1978)

Exatamente um ano após “Duas Vidas”, Janete Clair vinha com uma nova história. “O Astro” estreou em 6 de dezembro de 1977.

Na trama, Francisco Cuoco vivia Herculano Quintanilha, um ilusionista de caráter duvidoso que faz amizade com o jovem Márcio Hayalla (Tony Ramos), herdeiro de uma fortuna.

O “quem matou Salomão Hayalla?” – pai de Márcio, personagem de Dionísio Azevedo – parou o país no último capítulo, literalmente. Em 2011, “O Astro” ganhou um remake, estrelado por Rodrigo Lombardi.

Francisco Cuoco em "O Astro"
Francisco Cuoco em “O Astro”

“Lua Cheia de Amor” (1990-1991)

Último registro de uma novela da Globo a iniciar no mês de dezembro – estreou às 19 horas em 3 de dezembro de 1990.

Essa reedição disfarçada de “Dona Xepa” foi escrita por Ricardo Linhares, Ana Maria Moretzsohn e Maria Carmem Barbosa. Marília Pêra viveu a simplória camelô Genu, que sofria com a indiferença dos filhos.

Mas quem brilhou mesmo foi Arlete Salles, no papel da deslumbrada nova rica Kika Jordão, com seu bordão
“translumbrante!”.

Rodolfo Bottino e Isabela Garcia em "Lua Cheia de Amor"
Rodolfo Bottino e Isabela Garcia em “Lua Cheia de Amor”
Bruna Alves

Autor(a):

Bruna Alves

Eu sou Bruna Alves, redatora de notícias da televisão e celebridades desde 2016, com passagens em alguns sites da área ao logo desse tempo. No FATOS DA TV, trago notícias com credibilidade e responsabilidade aos leitores, relembrando acontecimentos passados da TV e dos famosos, mas também deixando os leitores atualizados com assuntos da atualidade.