Pressionado, estrela da Globo expôs rixa e detonou novela da Record: “Já passei dos dez anos”


Autor da Globo detonou a novela Os Mutantes. (Foto: reprodução/Montagem)
Autor da Globo detonou a novela Os Mutantes. (Foto: reprodução/Montagem)

Autor da Globo, João Emanuel Carneiro criticou a novela Os Mutantes, da Record

Na TV, é comum vermos disputas de egos entre autores de novelas, especialmente dentro da mesma emissora. Porém, em 2008, houve um caso peculiar envolvendo A Favorita, novela exibida pela Globo.

O autor da trama, João Emanuel Carneiro, teve um embate público com Tiago Santiago, que na época escrevia Caminhos do Coração (2007), novela que fez grande sucesso na Record e cujo último capítulo foi antecipado para competir com a estreia de A Favorita. Essa estratégia surtiu efeito, com Caminhos do Coração roubando audiência da Globo e fazendo a novela de JEC registrar o pior índice de estreia até então.

Essa disputa, que se prolongou depois que Tiago Santiago escreveu Os Mutantes, uma continuação de Caminhos do Coração, acirrou os ânimos entre os autores. Em entrevista ao jornal O Globo, JEC declarou que não iria para a Record porque fazia novelas melhores na Globo. Tiago Santiago, por sua vez, teria chamado A Favorita de “novelinha medíocre”, de acordo com o jornal Folha de S. Paulo.

João Emanuel Carneiro e Tiago Santiago. (Foto: reprodução)
João Emanuel Carneiro e Tiago Santiago. (Foto: reprodução)

Autores trocaram farpas pelas críticas

O jornal Estado de S. Paulo decidiu ouvir os dois lados. João Emanuel Carneiro aproveitou a oportunidade para alfinetar o concorrente, dizendo que não tinha o perfil do público de Os Mutantes porque “já passou dos dez anos e não pertencia à classe D e E”.

Tiago Santiago adotou um tom mais ameno, falando que até gostava de A Favorita, mas lamentou a declaração do autor da Globo. “Não vejo a novela de João Emanuel porque é no mesmo horário que Os Mutantes e Amor e Intrigas, que me parecem opções bem mais interessantes e divertidas. Ele erra feio ao acreditar que somos vistos apenas por crianças e pelas classes mais baixas”, afirmou.