Estrela de Mar do Sertão brigou com diretor e abandonou novela na Globo


Renato Góes ao lado de Isadora Cruz na novela Mar do Sertão. (Foto: Reprodução)
Renato Góes ao lado de Isadora Cruz na novela Mar do Sertão. (Foto: Reprodução/ Globo)

Nos bastidores da TV, não é raro atores acabarem entrando em conflito com diretores e decidirem largar a produção para qual foram escalados por divergências criativas ou de trabalho, e foi o que aconteceu com Renato Góes, que está atualmente no ar em Mar do Sertão, da Globo, onde dá vida ao vilão Tertulinho.

Mesmo sendo considerado um dos principais atores da Globo da nova geração, emendando uma sequência de trabalhos de destaque na emissora, Góes causou o maior tumulto nos bastidores ao protagonizar uma discussão com o diretor de uma novela e optar por deixar a trama.

Renato Góes estreou na TV em 2006, quando fez uma pequena participação em Pé na Jaca. Ele voltou a aparecer na Globo em 2009, na novela Cama de Gato, mas foi a partir de 2011, em Cordel Encantado, que ele emendou uma sequência de trabalhos na emissora carioca.

Ator Renato Góes. (Foto: Reprodução)
Ator Renato Góes. (Foto: Reprodução)

Discussão com diretor da Globo

E foi justamente essa emenda de trabalhos que fez com que o galã da Globo decidisse deixar uma novela da emissora, após um conflito com o diretor da trama.

Em 2017, ele foi escalado para Deus Salve o Rei, novela exibida na faixa das 19h, onde interpretaria o príncipe Afonso, um dos protagonistas da trama. Porém, logo no início das gravações, o ator teria se queixado do seu personagem para o diretor artístico Fabrício Mamberti, algo que causou um mal estar nos bastidores.

Alegando cansaço, Góes acabou deixando a trama e o personagem foi, então, destinado à Rômulo Estrela. “Foi um desencontro em cena. Ele (o diretor Fabrício Mamberti) sentiu que eu estava cansado. Em outra conversa, decidimos que era melhor me afastar, me preservar”, contou o ator.

A Globo, por sua vez, minimizou a situação, afirmando que a decisão sobre o afastamento do galã de Deus Salve o Rei foi tomada em comum acordo: “A decisão atende à estratégia de escalação da emissora, que procura evitar que um ator emende dois papéis de protagonista, para preservar a sua imagem, possibilitar a reciclagem e garantir melhores condições a todos para a preparação dos personagens”.