Culpa do Boninho? Globo toma drástica decisão e cancela programas implementados pelo diretor


Globo surpreende com cancelamento de programas: seria a culpa de Boninho?
Globo surpreende com cancelamento de programas: seria a culpa de Boninho? (Fotos: Divulgação/TV Globo)

A Globo tomou uma decisão surpreendente ao cancelar programas que foram implementados pelo diretor Boninho

A Globo está atravessando um momento de redefinições significativas em sua grade de programação. Recentemente, foram anunciados o fim de programas icônicos, como os realities “No Limite” e “The Voice Brasil”. Ambas as decisões surgem em meio a desafios como queda de audiência e dificuldades em garantir patrocínios.

+ Faustão anuncia plano surpreendente após transplante de coração: “Chega”

Nesse sentido, os últimos cancelamentos levantam questões sobre a eficácia dos formatos de reality shows na emissora e até que ponto a diretoria de conteúdo, liderada por Boninho, precisará se reinventar para manter a relevância e o apelo comercial dos shows ao vivo.

O programa “No Limite”, pioneiro do gênero de reality de sobrevivência no Brasil, chegou ao fim mais uma vez. A atração deste ano, após a retirada de Boninho do comando, tinha sido muito elogiada pelos usuários de redes sociais; no entanto, os números de audiência não foram suficientemente robustos para garantir sua continuidade.

Fernando Fernandes no comando do No Limite (Foto: Divulgação/Globo)
Fernando Fernandes no comando do No Limite (Foto: Divulgação/Globo)

Outro fator que contribuiu para o fim do programa foi o desinteresse dos patrocinadores segundo informações do IG. Apenas uma empresa optou por investir na última temporada do show, levando a produção a funcionar com um orçamento apertado.

+ Kayky Brito sofre grave acidente e é internado em estado crítico

Vale destacar que esta não é a primeira vez que o “No Limite” enfrenta desafios de continuidade desde sua estreia no ano 2000. O programa foi suspenso e retomado diversas vezes, fazendo com que sua trajetória seja marcada por altos e baixos.

Fim de uma era

Por outro lado, o “The Voice Brasil” foi outra vítima da guilhotina programática da Globo. Com 11 anos de trajetória e múltiplas edições, incluindo variantes como “The Voice Kids” e “The Voice+”, o programa musical também sofreu com quedas na audiência e limitações no aspecto comercial.

Apesar da gravidade da situação, a Globo optou por uma despedida mais honrosa, anunciando uma última temporada que promete ser repleta de momentos emocionantes e homenagens.

Fátima Bernardes havia assumido a apresentação do The Voice
Fátima Bernardes havia assumido a apresentação do The Voice (Foto: Divulgação/Globo)

Outros fracassos implementados por Boninho

Este cenário desfavorável não se limita apenas aos programas de realidade. O Zig Zag Arena, um game show comandado por Fernanda Gentil, também não conseguiu se estabelecer. Inicialmente planejado para ter 18 episódios, a atração foi encurtada para apenas 11 devido à sua má recepção.

Fernanda Gentil ficou 15 anos na Globo (Foto: João Cotta/TV Globo)
Fernanda Gentil comandou o Zig Zag (Foto: João Cotta/TV Globo)

Na época do cancelamento, isso levantou questionamentos sobre a habilidade do diretor Boninho em lançar formatos de programas fora do âmbito dos reality shows. Além disso, sua lista de fracassos inclui outras atrações como “Tomara Que Caia”, “Simples Assim” e “Casa Kalimann”, ampliando o debate sobre a necessidade de inovação e diversificação de conteúdo por parte da emissora.

+ Ana Maria não se cala e dá bronca ao vivo em Gil do Vigor após ele faltar ao trabalho: “Folgado”

O histórico de fracassos recentes se torna ainda mais preocupante quando se considera os projetos que foram diretamente cancelados antes mesmo de saírem do papel. Para quem não sabe, um novo projeto para o Globoplay, também sob o comando de Boninho, foi arquivado antes de sua execução, possivelmente em resposta ao desempenho insatisfatório dos formatos recentes.

Vale ressaltar que esta situação também impacta a estratégia comercial da emissora. A baixa adesão de patrocinadores para programas como o “The Voice Brasil” e “No Limite” sugere que a Globo terá que repensar suas propostas de valor para o mercado publicitário.

Hudson William

Escrevo sobre notícias da TV e das celebridades há muitos anos com passagens, inclusive, por outros portais como TV Foco. Meu objetivo é informar com precisão e clareza.