Grande estrela da Globo se afundou no álcool e luta contra doença sem cura


Felipe Camargo é estrela da Globo. (Foto: reprodução)
Felipe Camargo é estrela da Globo. (Foto: reprodução)

Estrela da Globo, Felipe Camargo já atuou em diversas produções de sucesso da emissora, mas mesmo no auge, chegou a enfrentar diversos problemas relacionados ao consumo de drogas, e que depois ele descobriu se tratar de uma doença sem cura.

O ator, hoje com 62 anos, sofre com a adicção, uma doença incurável que é associada à compulsão ou dependência psicológica, seja por sexo, comida, jogos e drogas, como o álcool, que sempre foi o principal problema do famoso.

Em 1989, Felipe se casou com Vera Fischer, mas essa relação se tornou uma das mais problemáticas da história do universo dos famosos, quando os dois, enfrentando problemas com drogas, protagonizavam brigas e agressões frequentemente.

Nesse mesmo ano, por exemplo, a atriz chegou a ser atropelada por um táxi e fraturar o nariz depois de uma briga com o ator. Já em 1990, também após uma discussão com Fischer, Felipe acabou atropelando e matando um jovem, depois de dirigir em alta velocidade. Mesmo sendo inocentado, o ator ficou com essa marca na sua carreira.

O ápice dos problemas ocorreu em 1994, quando os dois atuavam juntos em Pátria Minha e precisaram ser afastados da trama depois de protagonizarem diversas brigas que influenciavam no andamento da novela. Em uma gravação, por exemplo, Fischer chegou a aparecer com o antebraço quebrado.

Ator Felipe Camargo. (Foto: reprodução)
Ator Felipe Camargo. (Foto: reprodução)

Como estrela da Globo lida com a doença atualmente

Em 1995, Felipe Camargo e Vera Fischer se separaram e hoje se mostram recuperados e longe de problemas com drogas. A atriz segue há mais tempo afastada das novelas, mas Felipe continua trabalhando normalmente, mesmo estando longe das novelas desde 2018, quando fez Espelho da Vida.

No ano passado, em entrevista ao canal do humorista Nelson Freitas no Youtube, a estrela da Globo falou sobre a forma que lida com a adicção. “Eu não sabia que era portador de uma doença incurável com determinação fatal. Comecei a beber em casa com o meu avô, vieram as festas, a gente perde a timidez… Bebia apenas nos finais de semana, mas sempre em excesso. O álcool é uma substância perigosa, acabei me expondo, fui me excedendo”, declarou.

“Até eu entender e aceitar, tive muita derrota. Me julgava fraco porque não conseguia parar, até quando conheci os Alcoólicos Anônimos. Eu decidi que não quero que minha passagem nessa vida seja isso, não quero essa lama, esse sofrimento. A vida é muito maior”, explicou o ator.