Mudança de vida: jornalista escolhe o isolamento após longa trajetória na Globo


Sandra e Ernesto na comemoração de 18 anos de sua filha. Foto: (Reprodução/ Instagram)
Sandra e Ernesto na comemoração de 18 anos de sua filha. Foto: Reprodução/ Instagram

Após anos de destaque na Globo, famoso jornalista surpreende ao escolher uma vida de isolamento. Descubra os motivos por trás dessa decisão

Ernesto Paglia, um experiente ex-repórter da Globo, saiu da emissora em dezembro de 2022, após mais de quatro décadas de serviço. Apesar disso, foi visto posteriormente em um especial do Globo Repórter, apresentado por sua esposa, Sandra Annenberg.

+ Ator de “A Favorita” foi parar na cadeia, preso em flagrante e carreira acabou no fundo do poço

Paglia não anunciou seus próximos passos profissionais, optando por um ano sabático, conforme relatos do colunista Flavio Ricco. Ele tem evitado entrevistas e qualquer discussão sobre trabalho, focando em suas viagens e momentos em família nas redes sociais.

Sandra Annenberg indicou um novo projeto de Paglia, sugerindo um documentário na Groenlândia, possivelmente para o Globoplay. A saída de Paglia foi anunciada pelo diretor-geral de jornalismo da Globo, Ali Kamel, que enalteceu sua trajetória de quase 44 anos na emissora.

Ernesto Paglia teve uma carreira notável na Globo, cobrindo eventos significativos, como greves e visitas papais, além de oito Copas do Mundo e períodos como correspondente internacional em Londres. Ele também esteve envolvido em séries e reportagens especiais, acumulando cinco vitórias no Prêmio Comunique-se ao longo dos anos.

A trajetória na função de repórter especial

Ernesto Paglia, ao longo de sua carreira, desempenhou um papel vital no jornalismo da Globo. Em 1983, integrou a equipe da Central Globo de Jornalismo, trazendo renovação à linguagem do programa Globo Repórter. Seu trabalho nesse programa nos três anos seguintes foi marcado por reportagens jornalísticas que quebravam paradigmas. Destacou-se especialmente com uma reportagem-documentário sobre o cacique-deputado Mário Juruna, dirigida por Mônica Labarthe e com roteiro de Fernando Gabeira, no ano de 1984.

Sua influência na emissora também se estendeu para a criação da programação da Globo News em 1996. Durante três anos, liderou o programa semanal de entrevistas “Painel”, contribuindo significativamente para a consolidação do canal de notícias. Além disso, em 2009, foi fundamental na criação e condução das primeiras edições da coluna de tecnologia “Conecte” no Jornal Da Globo.

+ Autor premiado da Globo odiou novela de sua autoria que teve sucesso mundial: “Novela horrível”

Uma de suas contribuições mais notáveis foi a participação no desenvolvimento da primeira minissérie jornalística da TV Globo, o Globo Mar, entre 2010 e 2014. Esse projeto, focado em questões ligadas ao mar, abordou temas tanto nacionais quanto internacionais, expandindo-se para expedições fora do Brasil a partir de 2013. Seu trabalho nesta série foi tão impactante que a TV Globo recebeu a Menção Honrosa Marinha do Prêmio de Reportagem SOS Mata Atlântica/Conservação Internacional em outubro de 2013. A Marinha do Brasil reconheceu seu papel com as condecorações “Ordem do Mérito Naval” em 2011 e “Mérito Tamandaré” em 2015.

O casal em momento descontraído. (Reprodução/ Instagram)
O casal em momento descontraído. (Reprodução/ Instagram)

Em 2010, durante as cinco semanas que antecederam o primeiro turno das eleições presidenciais, liderou o projeto JN no Ar. Esse projeto, documentado em seu livro “O Diário de Bordo do JN no Ar – Cruzando o país numa cobertura histórica”, envolveu uma equipe de oito profissionais da Rede Globo em uma jornada por cada um dos 26 estados brasileiros e o Distrito Federal. Eles buscaram retratar os problemas e peculiaridades de cada localidade, gerando uma cobertura intensiva e detalhada do país.

Além de suas contribuições dentro do Brasil, Paglia desempenhou um papel crucial como correspondente internacional. Em 1986, com apenas 27 anos, tornou-se um dos mais jovens correspondentes da Globo, baseado em Londres. Sua cobertura do conflito Irã-Iraque em Bagdá foi um dos destaques desse período. Retornou à função de correspondente em Londres no período de 2000 a 2001, reportando a Segunda Intifada Palestina e a invasão norte-americana ao Afeganistão.

Ernesto Paglia deixou um legado significativo no jornalismo televisivo, marcando época com reportagens inovadoras e uma abordagem incisiva em diferentes áreas do noticiário nacional e internacional.

Casamento com Sandra Annenberg

A trajetória de amor entre Sandra Annenberg e Ernesto Paglia remonta aos corredores da TV Globo. Em 1990, quando Sandra ingressou no programa Fantástico, o destino uniu os caminhos da experiente repórter e do jornalista Ernesto. Ele, designado para instruí-la no universo jornalístico, logo se viu encantado por sua companhia antes mesmo de iniciarem as colaborações profissionais.

Sandra e Ernesto no dia de seu casamento (à esquerda) e em foto mais recente (à direita). Foto: Reprodução/Instagram.
Sandra e Ernesto no dia de seu casamento (à esquerda) e em foto mais recente (à direita). Foto: Reprodução/Instagram.

O magnetismo de Sandra era evidente, e esse encontro profissional logo se transformou em um romance genuíno. Seu relacionamento foi além dos estúdios, levando-os ao altar em 1996, consolidando uma união que dura há mais de duas décadas. Em 2003, a família deles cresceu com a chegada de Elisa Annenberg Paglia, a primogênita do casal, hoje com 20 anos.

 

Hudson William

Escrevo sobre notícias da TV e das celebridades há muitos anos com passagens, inclusive, por outros portais como TV Foco. Meu objetivo é informar com precisão e clareza.