Lutando contra AIDS, cantor mega famoso teve parte do corpo amputada


Cantor Freddie Mercury (Foto: Reprodução)
Cantor Freddie Mercury (Foto: Reprodução)

Antes de morrer devido às consequências da imunodeficiência, o cantor passou por grande sofrimento, como relatou seu colega de banda anos depois

A morte de Freddie Mercury deixou um vazio na música. Em 24 de novembro de 1991, o vocalista de uma das maiores bandas de todos os tempos, o Queen, morreu aos 45 anos em decorrência de uma broncopneumonia intensificada por problemas causados pela AIDS, doença com a qual foi diagnosticado quatro anos antes.

Dessa forma, o mundo só entendeu o estado de saúde do cantor um dia antes de sua morte, com a divulgação de uma nota em que Freddie revelava ser portador do vírus HIV. Então, desde 1987, com o diagnóstico, o artista guardou a situação em segredo e apenas pessoas próximas o acompanharam na luta contra a doença.

Contudo, como ele queria, a batalha foi travada sem o conhecimento do público e curiosidade da imprensa. Mas, mesmo assim, ela não foi menos dolorosa. Na época em que Mercury recebeu a notícia, ter AIDS era extremamente trágico e pessoas morriam pouco tempo após serem infectadas.

Na época ainda não era possível retardar os avanços do vírus no organismo

Assim, não existiam tratamentos capazes de retardar o avanço da imunodeficiência, como os que temos nos dias de hoje. Assim, o cantor conseguiu continuar com a produção de músicas para o Queen e a viver sua rotina normal por algum tempo, até que não conseguiu mais ignorar as dores crônicas e problemas de saúde que não iriam embora.

Entretanto, o guitarrista também relembrou um dia que estava jantando com Freddie e viu o pé do vocalista pela primeira vez. “Ele [Mercury] mostrou para nós como estava o pé em um jantar. “E, ele disse: ‘Oh, Brian, me desculpe por ter te chateado mostrando isso’. E eu disse: ‘Não estou chateado com isso, Freddie, apenas por perceber que você tenha que aguentar tanta dor’”, relatou May.

Outra questão levantada por Brian no livro é que o surgimento de medicamentos e recursos terapêuticos para parar o avanço da AIDS aconteceu alguns meses após a morte do cantor, em 24 de novembro de 1991. “Ele perdeu a chance por uma diferença de apenas alguns meses. Se tivesse um pouco mais de tempo ele ainda estaria com a gente, tenho certeza. Mas não se pode pensar assim porque senão você fica louco”, lamentou o artista.

Cantor Freddie Mercury (Foto: Reprodução)
Cantor Freddie Mercury (Foto: Reprodução)
Bruna Alves

Autor(a):

Bruna Alves

Eu sou Bruna Alves, redatora de notícias da televisão e celebridades desde 2016, com passagens em alguns sites da área ao logo desse tempo. No FATOS DA TV, trago notícias com credibilidade e responsabilidade aos leitores, relembrando acontecimentos passados da TV e dos famosos, mas também deixando os leitores atualizados com assuntos da atualidade.