Miguel de Chocolate com Pimenta, ator investiu em área totalmente diferente: “Nova carreira”


Caco Ciocler em Chocolate com Pimenta. (Foto: Reprodução)
Caco Ciocler em Chocolate com Pimenta. (Foto: Reprodução)

Muitos atores de Chocolate com Pimenta tomaram rumos diferentes na carreira dezenove anos após a exibição original do folhetim. Alguns já nos deixaram, outros largaram a profissão, e existem até casos daqueles que passaram a conciliar a área artística com outra carreira. É o caso de Caco Ciocler.

Na trama escrita por Walcyr Carrasco, o ator deu vida à Miguel, um pintor que surge no decorrer da trama para mexer com a vida da protagonista, Ana Francisca (Mariana Ximenes), se revelando como filho do seu ex-marido, Ludovico (Ary Fontoura), que era dono da fábrica de chocolates da cidade.

Hoje, aos 51 anos, Caco surpreendeu ao ter ingressado na faculdade de Biologia e também faz planos para trabalhar como pesquisador. Em recente entrevista à revista Quem, ele revelou a sua rotina de estudos. “Desde que comecei o curso tem sido 100% online. Eu que organizo minha rotina. Prefiro fazer tudo muito rápido, funciono melhor assim. São cinco matérias, faço uma por vez, inteira, às vezes em três dias, varando a noite. Gosto desses mergulhos. E assim estou fazendo. Já terminei esse semestre praticamente porque fiz todas as provas e entreguei os trabalhos. Mergulho de cabeça no curso e fico totalmente voltado para ele”, contou.

Caco Ciocler atualmente. (Foto: Reprodução)
Caco Ciocler atualmente. (Foto: Reprodução)

Ator de Chocolate com Pimenta não pretende se afastar da TV

Apesar da dedicação aos estudos em uma área distinta, Caco Ciocler garante que não pretende abandonar o meio artístico. Depois de Chocolate com Pimenta, o ator emplacou uma série de trabalhos, o último, na novela Pantanal, onde deu vida ao Dr. Gustavo.

Ele ainda falou sobre a grande vontade de trabalhar com pesquisa: “Eu tenho o desejo de trabalhar com pesquisa. As áreas que têm mais me fascinado são Citologia – estou fascinado com o funcionamento das células – e Botânica. Sempre fui apaixonado pelas árvores. Mas não sei ainda como vai ser. Como qualquer profissão, precisa de dedicação. Não sei se será possível começar uma nova carreira, mas tenho curiosidade de trabalhar mais com pesquisa”.