Novela que afundou na Globo colocou carreira de atriz em risco e causou decepção


Estrela da Globo passou por situação complicada (Foto: Montagem/Reprodução)
Estrela da Globo passou por situação complicada (Foto: Montagem/Reprodução)

Uma novela decepcionante coloca em perigo a carreira de famosa atriz da Globo

Taís Araujo, conhecida por suas atuações marcantes, encarou um desafio e tanto em 2009 ao ser escolhida como protagonista de “Viver a Vida”, novela de Manoel Carlos. No entanto, o que deveria ter sido um grande marco em sua carreira tornou-se um pesadelo profissional.

+ Ex-parceira de Faustão anunciou livro bombástico com promessas de revelações surpreendentes

A expectativa em torno da novela era alta. Manoel Carlos, renomado autor, retornava ao horário nobre após sucessos como “Laços de Família” (2000), “Mulheres Apaixonadas” (2003) e “Páginas da Vida” (2006), sendo a primeira vez que uma de suas personagens centrais, a famosa Helena, seria representada por uma atriz negra.

Entretanto, o enredo não deslanchou como esperado. A trama foi duramente criticada pela maneira como desenvolveu os temas propostos e pela narrativa arrastada. Taís, na pele de Helena, enfrentou uma série de desafios, desde a rejeição do público à personagem até a perda do protagonismo para a personagem de Alinne Moraes, Luciana, modelo que fica tetraplégica após um acidente.

+ Atriz causa polêmica ao soltar o verbo e revelar seu desgosto por famosa novela da Globo

Críticas

A atriz enfrentou críticas negativas na imprensa e por parte do público. Em uma entrevista à revista Piauí, ela refletiu sobre o período conturbado, destacando que a culpa não foi exclusivamente sua. Taís desabafou sobre a expectativa de igualdade racial que a novela tentou retratar, mas que não refletia a realidade racista do Brasil. Ela lamentou como a personagem foi tratada como se fosse branca, enquanto na vida real o Brasil ainda lida com profundas questões raciais.

Taís Araujo interpretou Helena em "Viver a Vida" (Foto: Reprodução/ Globo)
Taís Araujo interpretou Helena em “Viver a Vida” (Foto: Reprodução/ Globo)

Apesar das adversidades, esse momento difícil na carreira de Taís Araujo representou um importante crescimento pessoal e profissional. Foi a primeira vez que ela encarou o rechaço do público, o que a fez amadurecer e aprender a lidar melhor com críticas. Em entrevista ao site Heloísa Tolipan, em 2019, Taís reconheceu esse processo de aprendizado, enfatizando que a vida de um artista é uma jornada de recomeços constantes, e que as críticas fazem parte desse percurso.

A atriz, que já teve uma carreira muito próspera, agora encara as críticas de maneira mais amadurecida, ciente de que enfrentará desafios novamente no futuro. Para ela, a diferença reside no fato de já ter vivenciado esse tipo de situação e agora estar mais preparada para lidar com as adversidades que podem surgir ao longo de sua trajetória profissional.

Carreira

Taís Araujo iniciou sua trajetória na televisão em 1995, atuando na novela “Tocaia Grande” como Bernarda, filha adotiva do personagem principal. Em seguida, ganhou destaque ao protagonizar “Xica da Silva” (1996), interpretando a escrava que se torna rainha do Arraial do Tijuco. Esse papel foi significativo, tornando Taís a terceira atriz negra a protagonizar uma novela no Brasil. Sua atuação na trama também a levou a ser reconhecida internacionalmente, sendo eleita uma das 50 pessoas mais bonitas do mundo pela revista People em espanhol.

Ao longo dos anos seguintes, participou de diversas produções, como “Anjo Mau” (1997), “Meu Bem Querer” (1998), e teve uma breve aparição em “Uga Uga” (2000) e “Betty, a Feia” (2000). Em “Porto dos Milagres” (2001), estreou no horário nobre como Selminha Aluada, uma personagem complexa envolvida em diferentes tramas.

Mas foi em “Da Cor do Pecado” (2004) que Taís fez história, interpretando Preta, a primeira protagonista negra de uma novela da Rede Globo em muitos anos. A trama, que abordava o romance interracial, foi um sucesso não apenas no Brasil, mas também internacionalmente.

Em “A Favorita” (2008), viveu Alícia, uma personagem em busca de amor em meio a intrigas familiares. Paralelamente às suas atuações, Taís também estreou como apresentadora no programa “Superbonita” do canal GNT e recebeu o convite para escrever um artigo para a Folha de S. Paulo sobre a posse do presidente Barack Obama. Em 2009, esteve em Viver a Vida onde teve que encarar o problema citado.

Superando esse momento desafiador, ela protagonizou “Cheias de Charme” (2012) como Maria da Penha, uma empregada doméstica que se torna cantora. Em seguida, esteve em produções como “Geração Brasil” (2014), “Mister Brau” (2015), e foi indicada ao prêmio Shell de Melhor Atriz pela peça teatral “O Topo da Montanha”.

Lázaro Ramos e Taís Araujo
Lázaro Ramos e Taís Araujo (Foto: Divulgação)

Últimos trabalhos

Nos anos seguintes, continuou diversificando sua atuação, participando de filmes, programas de TV como “Saia Justa” (2017), reality shows como “Popstar” (2018), até protagonizar “Amor de Mãe” (2019) ao lado de Regina Casé e Adriana Esteves.

Em 2021, concluiu a segunda temporada de “Amor de Mãe”, participou como jurada no “The Masked Singer Brasil” e continuou à frente do programa “Super Bonita”. Taís Araujo tem sido uma figura constante na televisão brasileira, agregando diversas experiências em sua carreira marcada por desafios e sucessos.

Taís Araujo
Taís Araujo no The Masked Singer (Foto: Reprodução)

Mais recentemente, no ano passado, a atriz deu vida a Clarice Gusmão e Anita Lopes na novela Cara e Coragem (2022) e, atualmente, apresenta o Vem Que Tem. A atriz interpretará Nossa Senhora em O Auto da Compadecida 2 que está previsto para 2024.

Hudson William

Escrevo sobre notícias da TV e das celebridades há muitos anos com passagens, inclusive, por outros portais como TV Foco. Meu objetivo é informar com precisão e clareza.