Protagonista morreu antes do fim de novela e Globo encomendou pesquisa para decidir o que fazer: “A dor é geral”


Globo enfrentou dilema após morte de protagonista de novela. (Foto: Reprodução)
Globo enfrentou dilema após morte de protagonista de novela. (Foto: Reprodução)

Na maioria das vezes, as novelas da Globo são gravadas enquanto ainda estão no ar, o que possibilita realizar mudanças na trama de acordo com a audiência e a reação do público, mas sempre há o risco de haver imprevistos, como o afastamento e até a morte inesperada de algum ator, como ocorreu em Sol de Verão (1982).

Escrita pelo experiente Manoel Carlos, a novela foi ao ar no horário nobre da emissora e contava com Irene Ravache e Jardel Filho nos papéis principais. Irene interpretava Rachel, uma mulher que acabou de sair de um casamento infeliz e se envolvia com Heitor, personagem de Jardel, um mecânico boêmio que nunca havia vivido um relacionamento sério.

Jardel era um dos principais atores da Globo na época, tendo construído uma carreira de mais de 30 anos na TV e 17 anos no cinema. Ele esteve em longas clássicos, como Terra em Transe e Pixote, e integrou o elenco de 22-200 Cidade Aberta (1965), considerada a primeira série da TV brasileira.

Jardel Filho foi protagonista de Sol de Verão. (Foto: Reprodução)
Jardel Filho foi protagonista de Sol de Verão. (Foto: Reprodução)

Ator morreu antes do fim da novela da Globo

Porém, no dia 19 de fevereiro de 1983, Jardel Filho acabou sofrendo um ataque cardíaco e faleceu na sua casa, aos 55 anos. A morte do ator chegou a ganhar destaque no Jornal Nacional e abalou os bastidores de Sol de Verão, que ainda estava no ar, faltando cerca de 20 capítulos para o seu encerramento.

Entre os atores e a equipe do folhetim, o clima era de luto absoluto, com muitos defendendo que a novela deveria ser encerrada imediatamente. O próprio Manoel Carlos, que era amigo pessoal de Jardel Filho, declarou não ter mais condições emocionais de escrever os últimos capítulos da novela, e passou o bastão para Lauro César Muniz e Gianfrancesco Guarnieri.

Novela teve continuação após pesquisa

Para tomar uma decisão, a Globo teve de recorrer a uma pesquisa com o público, e 55% dos entrevistados afirmaram que a novela deveria continuar. “O sentimento de dor é geral. Mas em termos práticos, até agora, recolhemos as seguintes opiniões: 14 pessoas sugeriram que Heitor vá para a Holanda [o personagem tinha o sonho de viajar para esse país, terra de seus antepassados] e de lá escreva uma carta para a irmã dizendo que nunca mais voltará ao Brasil; 15 acham que a melhor solução é suspender a novela; e 12 pediram para que Heitor tenha uma morte bonita na novela. Mas a maioria parece acreditar que uma substituição é a melhor solução”, revelou a então chefe do centro de atendimento aos telespectadores da Globo, Júlia Estrella.

Assim, foi determinado que o folhetim ganharia mais alguns capítulos para ter um desfecho adequado. O personagem de Jardel simplesmente sumiu da trama, mas ao final do capítulo 120, o último que contava com a sua participação, e no início do 121, a Globo prestou uma longa homenagem ao ator, com depoimentos emocionantes dos colegas de profissão e a exibição de um texto escrito pelo amigo Manoel Carlos.