SBT desistiu de produzir sua versão da novela Os Mutantes após fiasco de autor


SBT tinha projeto de novela semelhante aos Mutantes. (Foto: reprodução/Record)
SBT tinha projeto de novela semelhante aos Mutantes. (Foto: reprodução/Record)

Novela de Tiago Santiago semelhante aos Mutantes nunca foi produzida pelo SBT

Em 2008, Tiago Santiago estava no auge da carreira ao escrever algumas novelas que entraram no hall das produções de maior sucesso da Record, como A Escrava Isaura (2004), Prova de Amor (2005), Caminhos do Coração (2007) e Os Mutantes (2008). Dessa forma, o autor acabou se tornando alvo do SBT e se transferiu para a emissora de Silvio Santos na expectativa de reerguer a teledramaturgia do canal.

Em 2012, em entrevista ao portal R7, o autor confessou que tinha um projeto que iria apostar no realismo fantástico, pegando carona justamente no sucesso que ele alcançou com Os Mutantes. “Posso adiantar apenas que vou escrever em tom de comédia tramas que vão sim envolver realismo fantástico e ficção, como fiz, por exemplo, em Os Mutantes”, contou.

Na época, a imprensa passou a especular que esse projeto abordaria a lenda do chupa-cabra, um suposto monstro em forma de lobo que assombrava moradores de fazendas em várias regiões do país, por matar cabras e se alimentar do seu sangue.

Autor Tiago Santiago. (Foto: reprodução/internet)
Autor Tiago Santiago. (Foto: reprodução/internet)

Projeto ficou na gaveta

O projeto, no entanto, acabou sendo rejeitado e nunca viu a luz do dia no SBT. Teria pesado bastante nessa decisão do SBT, o fiasco de Tiago Santigado com a novela Amor e Revolução, exibida em 2011. O folhetim foi a primeira grande aposta do canal após a contratação de Tiago, mas acabou sendo rejeitado pelo público e amargou baixa audiência.

Isso fez com que o autor fosse colocado na geladeira do SBT, e consequentemente, os seus projetos fossem parar na gaveta, até a sua saída em definitivo, em 2013. A partir daquele ano, aliás, a emissora mudou a sua proposta em relação às novelas, passando a investir em produções infantojuvenis, como Carrossel e Chiquititas.

O autor, aliás, chegou a entrar na justiça contra o SBT após a sua saída, exigindo os direitos autorais dos projetos que deixou no SBT, alegando que, como eles não foram ao ar, ele não pôde usufruir de nada. Em 2018, o autor finalmente venceu a batalha judicial e recuperou os direitos.