Novela da Globo foi alvo de ação após mostrar relação entre adolescente e empregada: “Desrespeito”


Novela da Globo causou polêmica (Foto: Divulgação)
Novela da Globo causou polêmica (Foto: Divulgação)

Mulheres Apaixonadas teve problemas com a categoria de trabalhadoras

Em setembro de 2003, a novela Mulheres Apaixonadas estava próxima de seu fim e foi nesta época que a obra da Globo foi alvo de ação cautelar, por parte do Sindicato dos Trabalhadores Domésticos de Jundiaí e Região (São Paulo). 

+ Novela da Globo teria feito filho a atirar no próprio pai e emissora entrou em grande polêmica

O intuito era impedir que Zilda (Roberta Rodrigues) e Carlinhos (Daniel Zettel) tivessem cena de sexo exibida na novela, visto que o sindicato enxergava a ideia como ato preconceituoso, devido ao fato de que Zilda era empregada doméstica da casa e Carlinhos o filho adolescente dos patrões da personagem. 

No começo, Carlinhos assediava Zilda – com o objetivo de perder sua virgindade – e ela o afastava. Porém, em certo momento, a moça decidiu não relutar e se entregar ao rapaz. A respeito deste tipo de trama, o sindicato declarou o seguinte: 

“Tem inserido na cabeça de adolescentes o desrespeito e insinuado que a categoria de empregadas domésticas, além de servir à família com seu trabalho e dedicação, deve servir aos desejos sexuais dos pequenos iniciantes, como se fossem meretrizes à espera do patrãozinho”, dizia trecho da petição. 

Ator falou sobre a polêmica

Em resposta, o autor da obra, Manoel Carlos, declarou assertivamente: “Isso é normal. Quando há na novela uma enfermeira e um sujeito se interessa, pronto, lá vem o sindicato. As secretárias, a mesma coisa. Também tivemos problemas com as massagistas. É como se essas profissionais não fossem capazes de provocar interesse em um homem, a não ser por suas qualidades profissionais. Ainda não sei se farei o Carlinhos transar com a Zilda, mas, se tiver, faço.” 

+ Por onde anda o Chiquinho da Eliana? Saiba o que aconteceu com famoso personagem dos anos 90

O pedido foi negado pelo Tribunal de Justiça de São Paulo e o motivo apresentado pela juíza Hertha Helena Rollemberg Padilha Palermo é que Mulheres Apaixonadas é obra de ficção e, portanto, não se deve confundi-la com a realidade. 

“Segundo o entendimento do autor nenhum personagem ruim ou que pratique atos condenáveis pode ter profissão definida, porque tal atentaria contra os direitos da personalidade de todos os profissionais da categoria”, declarou a magistrada. 

A juíza alegou ainda que a novela da Globo não causava danos à imagem da classe. Na obra, Zilda tira, de fato, a virgindade do rapaz e o processo foi extinto sem apreciação do mérito. Mulheres Apaixonadas foi encerrada em 10 de outubro de 2003, pouco depois de todo este rebuliço.  

Daniel Zettel em Mulheres Apaixonadas (Foto: Reprodução)
Daniel Zettel em Mulheres Apaixonadas (Foto: Reprodução)
Hudson William

Escrevo sobre notícias da TV e das celebridades há muitos anos com passagens, inclusive, por outros portais como TV Foco. Meu objetivo é informar com precisão e clareza.