Parceiro do Jô Soares, não aceitou o fim, e se entregou à depressão após demissão


Parceiro de Jô Soares, entrou em depressão após demissão (Foto Reprodução/Internet)
Parceiro de Jô Soares, entrou em depressão após demissão (Foto Reprodução/Internet)

Um dos mais icônicos músicos do “Programa Jô” relatou como foi o processo de demissão

Os programas “Jô Soares Onze e Meia” e “Programa do Jô” ficaram marcados não apenas pelas entrevistas maravilhosas mas também pelo jeito descontraído dos companheiros do apresentador Jô Soares. Estamos falando dos músicos de seu programa, o “Quinteto Onze e Meia”, vale mencionar, que por um tempo chegou a ser sexteto mas acabou voltando a ser a formatação original.

Entre os músicos, nós tínhamos o Bira, cujo nome real era Ubirajara Penacho dos Reis, ele nasceu em Salvador, e desde cedo, mostrou paixão pela música.

 +Atores difíceis, mudança de protagonista e erro no título: novela da Globo marcou época

Sua grande paixão, o baixo, começou quando ele ainda fazia parte do coral da Universidade Federal da Bahia. Quando teve o apoio de Luiz Chaves, que na época integrava o “Zimbo Trio”. Bira entrou de vez no universo musical, e se dedicou em muitos trabalhos.

Bira fez muito sucesso no programa do Jô por anos (Foto Reprodução/Internet)
Bira fez muito sucesso no programa do Jô por anos, na foto ele posou com seus colegas na época que o grupo era um sexteto (Foto Reprodução/Internet)

Bira, na procura de se firmar na profissão e fazer shows na capital paulista, se mudou para São Paulo. Porém foi na televisão que ele encontrou o seu verdadeiro espaço, primeiramente na banda do programa do ” Chacrinha” e depois em uma orquestra aonde sua vida mudou radicalmente.

No SBT, Bira fez partes de dois grupos orquestrais importantes, o do Oscar Milani e do maestro Zezinho. Desde então o músico passou a fazer parte de vários programas de auditório da casa como ” Qual a música” e “Show de Calouros”.

Em 88 foi quando ele ingressou no “Quinteto Onze e Meia”. Ao lado de Rubinho, Osmar, Derico e Miltinho, na grande estreia do “Jô Onze e Meia”. Bira ficou muito famoso, não só pela música, mas pela sua risada que contagiava o público, quando era contada uma piada, e isso se tornou sua marca registrada.

Nos anos 2000, o conjunto migrou para Globo juntamente com o Jô, e o programa continuava sendo um verdadeiro sucesso e Bira o auge do Show.

O Fim de Tudo.

Em 2016, a Globo anunciou o fim da produção, em entrevista ao “Tricotando” da RedeTV!, Bira relatou, na época como foi esse processo. Ele disse que a notícia veio por telefone :

“Tal dia, todo mundo na Globo. as 10 horas, no quinto andar”, encontro na mesa um rapaz chamado Otávio, eu trabalhei com ele no SBT. Eu fui pondo a mão na mesa para me sentar e ele falou: O Programa do Jô acabou”. Eu dei risada. A vida lá dentro só tinha riso” – Revelou ele

Mesmo com muito bom humor, Bira sentiu muito o fim do programa e não estava preparado para isso. Tanto que seu colega Derico, em uma outra ocasião, durante  entrevista ao “podcast” Ticaracaticast, revelou que, na verdade, Bira havia entrado em depressão pelo fim do programa.

“O Bira não acreditou no fim, mesmo depois do programa ter acabado. Ele achava que um dia poderia voltar. O Bira vivia aquilo  de fato, e ele entrou em depressão. Ele poderia ter guardado uma grana, ter pensado o que fazer depois, mas não deu”

Bira veio a falecer em 22 de dezembro de 2019, aos 85 anos, após ser submetido a uma internação devido a um AVC. Jô Soares lamentou a morte do colega, afirmando que além de amigo, era uma da figuras centrais do seu programa:

“Eu só espero que ele não tenha sofrido, porque o Bira não Merecia isso” – Lamentou Jô em entrevista para a revista “Veja” na época.

Bira, morreu vitima de um AVC (Foto Reprodução/Internet)
Bira, morreu vítima de um AVC (Foto Reprodução/Internet)
Lennita Lee

Autor(a):

Lennita Lee

Meu nome é Lennita Lee, tenho 32 anos, nasci e cresci em São Paulo. Viajei Brasil afora, e voltei para essa cidade, afim de recomeçar a minha vida. Sou formada em moda pela instituição "Anhembi Morumbi" e sempre gostei de escrever. Minha maior paixão sempre foi a dramaturgia Também sou viciada em grandes produções latino americanas e mundiais. A arte é o que me move ....